domingo, 23 de janeiro de 2011

O Cão, a lenda e a verdade



O cachorro Joe, confundido com o cão Caramelo,
 na foto
em que aparece ao lado de
 um uma cova em Teresópolis,
 na Região  Serrana (Foto: Vanderlei Almeida/ AFP)
 Caramelo, esse foi o nome que deram ao cão Joe.Tal mudança ocorreu em face da tragédia, motivada por uma foto dele ao lado de uma sepultura em um dos cemitérios da região serrana do Rio de Janeiro.

Joe tornou-se celebridade e personagem principal de uma lenda urbana. E como o povão gosta de lendas... Auxiliados pela máxima popular de que “o cachorro é o maior amigo do homem”, bastou o cãozinho dar IBOPE que logo surgiu uma multidão de pessoas interessadas em adotá-lo. Afinal, tudo parecia mostrar que se tratava de um animal com dons sobrenaturais...

Porém, Joe é apenas uma das demonstrações do misticismo popular, que aliado à mídia, necessitava ser alimentada por um ícone pós-tragédia. A fábula foi que, aquele cão (então batizado de Caramelo) havia reconhecido a sepultura de seu dono e havia resolvido passar ali o resto de sua existência canina na Terra.

Como sou cético com coisas que não são descritas na Bíblia, resolvi questionar o assunto em uma rede social. Fiz uma pergunta simples: “Como aquela cão poderia reconhecer o dono já que os corpos foram amontoados em avançado estado de decomposição, como muito formol e, após a liberação, com seus enterros de caixão fechado ?”

Foi a gota d´água para que eu fosse quase linchado virtualmente. “São mistérios que o homem e nem a ciência explica”, “Isto é coisa sobrenatural...”, e outras explicações nada convincentes. Todas tentando uma explicação sobrenatural para um suposto cão que enxerga a alma de seu dono.

Na verdade, eu até conheço a história de um outro cão, muito parecida, porém com outras características que a tornam mais verídica. Em Maricá, um cão acompanhou uma família ao velório de seu dono, viu o caixão ser aberto à beira de sua sepultura e, depois de fato, resolveu ficar ali guardando a cova pelo resto de seus dias. Nesta história não há nada de sobrenatural, mas sim de sentimental. Cientistas dizem que os cães não acham que possuem donos, mas eles mesmo se acham donos de seu tratador. Um cão que viu sua propriedade ser enterrada, sentiu o seu cheiro, resolveu guardar sua propriedade.

Caramelo só mostrou mesmo o quanto as pessoas continuam leigas sobre assuntos espirituais. Acreditam que a alma de uma pessoa permanece ao lado do corpo ou que fica perambulando pelas ruas.

Enquanto isto, a Bíblia diz: “Morreu o mendigo, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado. No Hades, estando em tormentos, levantou os olhos e viu ao longe Abraão e a Lázaro no seu seio. E clamou: Pai Abraão, tem compaixão de mim! E mande a Lázaro que molhe a ponta do seu dedo, e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama! Mas Abraão respondeu: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens na tua vida e Lázaro do mesmo modo os males; agora, ele está consolado, e tu em tormentos. Demais, entre nós e vós está firmado um grande abismo, de modo que os que querem passar daqui para vós não podem, nem os de lá passar para nós...” Luc. 16:16-31

Felizmente não devemos ter medo da verdade. "É tudo mentira", protestou o verdadeiro dono do animal, o coveiro Rodolfo Júnior. Agora é só conferir no link http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/chuvas-no-rj/noticia/2011/01/e-tudo-mentira-diz-coveiro-sobre-cao-fotografado-ao-lado-de-sepultura.html e continuar crendo que a Bíblia sempre tem razão.